Mosaico da Vila

E repare o leitor como a língua portuguesa é engenhosa. Um contador de historias é justamente o contrario do historiador, não sendo um historiador, afinal de contas, mais do que um contador de histórias
Machado de Assiso leitor como a língua portuguesa é engenhosa. Um contador de historias é justamente o contrario do historiador, não sendo um historiador, afinal de contas, mais do que um contador de histórias" Machado de AssisOSAICO DA VILA
E repare o leitor como a língua portuguesa é engenhosa. Um contador de historias é justamente o contrario do historiador, não sendo um historiador, afinal de contas, mais do que um contador de histórias" Machado de AssisICO DA VILA
E repare o leitor como a língua portuguesa é engenhosa. Um contador de historias é justamente o contrario do historiador, não sendo um historiador, afinal de contas, mais do que um contador de histórias" Machado de Assisepare o leitor como a língua portuguesa é engenhosa. Um contador de historias é justamente o contrario do historiador, não sendo um historiador, afinal de contas, mais do que um contador de histórias" Machado de Assis
Dom Juarez de Sousa, novo Bispo de Oeiras
AD DOMICIS GREGIS BONUM

“Bate, neste dia e nesta hora, arrímico, o coração da Velhacap.
É o descompasso dos grandes momentos, das grandes alegrias.”
Possodônio Queiroz


Há mais de trezentos anos, chegava na sertaneja Freguesia do Brejo da Mocha, o Prelado da Cúria pernambucana, tomado pela missão diplomática de apaziguar igreja e aristocratas da Casa da Torre, que outrora tomados pela tirania, atearam fogo no simplório templo em invocação a Nossa Senhora da Vitória. Na então inspeção inesperada, no dizer de Pe. Cláudio de Melo: ”Não faltou o apreço daqueles vizinhos que, informados, logo vieram beijar o anel e reafirmar os compromissos assumidos por ocasião da criação da Freguesia.” Assim, não tardou muito e a intervenção episcopal de D. Francisco de Lima, resultou no acordo de paz entre igreja e curraleiros piauienses.

A partir daquele momento, delineava-se anos de devoções e muitas orações, onde em procissões e novenas iriam consolidar a insígnia de “Capital da Fé”. Uma fé para todos os gostos e todas as classes, onde a hierarquia devocional ia das irmandades à Cúria que oscilava do Pernambuco para o Maranhão, enquanto a igreja em solo piauiense disseminava nos mais distantes rincões a palavra de Deus.

Assim, no período colonial como no imperial, poucas foram as visitas de um bispo às terras paiuienses, caso viesse, era momento solene, e quando retornava levava consigo gordos donativos dos senhores fazendeiros. Dessa forma, enquanto o povo penitavam, bem distante “rezava” um clero para uma cristandade tão prestativa.

Diante a isso, no correr dos anos, Oeiras e o próprio Piauí, que um dia foram construções, já eram ruínas, e foi nessa circunstância que chegava no século XX a Cúria do Piauí, depois de duzentos anos de instituída a fé cristã em solo piauiense. Seria sem dúvida, os primeiros passos para que um dia a Velha Urbe pudesse ter o seu próprio bispado, algo almejado desde 1822, mas que só se fez valia em 1944, em Bula assinada pelo Pontífice Pio XII, intitulada de AD DOMICIS GREGIS BONUM, que noutras palavras significava “Para o bem do rebanho do Senhor.” Dessa forma solidificava ainda mais a fé dos oeirenses.

Em vinte e nove anos, a Diocese de Oeiras teve três Bispos, dos quais os dois primeiros eram cearenses, D. Expedito Lopes e D. Raimundo da Silva, já o terceiro era alemão, D. Edilberto Dinkelborg, que alterou a Bula em 1978, sendo assim, a Diocese passara a ser Oeiras - Floriano. Na nova conjuntura, teve-se como prelado D. Edilberto, D. Fernando Panico, de origem italiana e por último, D. Augusto da Rocha, oriundo da provincina cidade de Bertolínia do Piauí. Agora depois de trinta anos, o bispado volta a catedral de Nossa Senhora da Vitória, sob a ovação de seus paroquianos.

Contudo, o novo prelado, Juarez de Sousa, chega em momento delicado, cabendo a ele uma difícil missão, todavia, não impossível. Momento de disputa eleitoral, onde seu rebanho se dispersa em bipolaridade, dessa forma cabe a ele a sorte de Moisés, guiar o seu povo sob o báculo da concórdia.

Junior vianna

Um comentário:

Jornalismo disse...

Júnior, seu blog está excelente!
Faz um link pro meu, eu vou fazer um pra o seu pra divulgar!!
jornalismo-iniciantes.blogspot.com
Um abraço!!